Não ao MARCO CIVIL DA INTERNET

Tive um pesadelo noturno após ler o famigerado MARCO CIVIL DA INTERNET.
Fico com a imagem dos NAZISTAS querendo controlar a opinião das pessoas, algumas pessoas dirão que a comparação não faz sentido. Meu argumento é claro e cristalino em dois pontos:
1 – O projeto de lei prevê a retirada de conteúdo ofensivo pelo provedor, independente de opiniões. Bastando o “ofendido”, e ele está entre aspas
pois é a opinião dele, e não um fato se manifestar. Exemplificarei, obvio que existem ofensas injustificadas, mas caminhemos lateralmente até a saindo da região da ofensa e indo em direção a IRONIA, quem determina nesta região cinzenta o que é IRONIA e o que é ofensa. Pelo projeto de lei o “ofendido”  ou seu representante legal precisariam apenas se  manifestar seu sentimento para que desta forma o conteúdo seja AMPUTADO da INTERNET. Estaremos criando uma industria de ofendidos, resultando na AMPUTAÇÃO de ideias e opiniões por toda a INTERNET. Pois basta se sentir “ofendido”. COMO DISSE EM MEU ARGUMENTO ANTERIOR  ISTO  SERVE DE JUSTIFICATIVA PARA OS NAZISTAS PRATICAREM O HOLOCAUSTO, AFINAL ELES SE SENTIAM OFENDIDOS COM A RESPIRAÇÃO DOS JUDEUS. OU SE LEMBRARMOS DAS FOGUEIRAS COM LIVROS QUE OFENDIAM A CULTURA ARIANA. SE TIVER DUVIDA VEJA  O FILME “A MENINA QUE ROUBAVA LIVROS”.
MARCO

Mais uma vez traço este paralelo não por alarmismo, mas com a preocupação de quem vislumbra um futuro sombrio, com projetos assim. A COMPETÊNCIA
DE ESTABELECER A LINHA DE FRONTEIRA ENTRE A OFENSA E A IRONIA, ENTRE OUTRAS É OBRIGAÇÃO DO JUDICIÁRIO. Que é quem possui formação adequada para tal. Não basta o “ofendido” assim se sentir, é necessário um julgamento para a consumação do FATO. Vou dar um exemplo hipotético:
   - Em um artigo alguém chama um DEPUTADO DE SENIL por redigir um projeto de lei onde o ESTADO BRASILEIRO se declara CRISTÃO. O artigo
será AMPUTADO, veja é quase consensual que um ESTADO moderno seja LAICO, pois a religião ou a ausência dela trata-se de uma decisão opinativa
e de foro intimo de cada pessoa. NA MINHA OPINIÃO UM SUJEITO COMO ESTE É SENIL independente do que se diga. Porém se o provedor acatar
um registro do digníssimo a opinião será amputada, partindo do principio
que o provedor seja neutro. E se o provedor achar que não é ofensiva a manterá,
 porém assim estaremos transferindo o julgamento ao provedor, UM ABSURDO. Assim o ofendido ainda terá que ir ao judiciário para conseguir seu intento. Vocês estarão dando poder demais ao “ofendido” ou poder ao provedor. Este poder já têm dono o JUDICIÁRIO e lá deve permanecer.
2 – Quanto a qualidade do serviços, ora já existem regras na concessão pública dos serviços, que deveria ser regulada e auditada pela digníssima ANATEL.
Que não o faz adequadamente, então criamos outra legislação na esperança que seja CUMPRIDA. NÃO PRECISAMOS DO MARCO CIVIL, PRECISAMOS
QUE A ANATEL FUNCIONE. PARA ISSO TEMOS QUE AMPUTAR OS PETRALHAS LÁ INSTALADOS COM A SUA JÁ CONHECIDA incomPeTência e que vocês do LEGISLATIVO exijam do EXECUTIVO que a ANATEL faça sua função com CORREÇÃO E COMPETÊNCIA.
NÃO PRECISAMOS DE MAIS LEIS PRECISAMOS QUE AS QUE EXISTEM SEJAM CUMPRIDAS !!
A INTERNET NÃO PRECISA DE REGULAÇÃO É LIVRE E ASSIM DEVE PERMANECER. PARA PENSAR NA CAMA A INTERNET NÃO É LIVRE
EM CUBA, NA CHINA E NA COREIA DO NORTE, PORQUE IRIAMOS QUERER ENTRAR NESTE ILUSTRE GRUPO.

Conteúdo de cauda

(tail content) expressão criada por Patrick Crane do LinkedIn, segundo ele a definição é:

(o conteúdo de cauda) é pegar um conteúdo , inserir o seu ponto de vista, mesclar e então republicar .

O conteúdo original ele tipifica como conteúdo principal, geralmente bem pesquisado, realizado por pessoas treinadas e habilidosas que sabem produzir este tipo de conteúdo. O conteúdo de cauda nem sempre é produzido com qualidade.

Monetizar

o termo quer dizer transformar em dinheiro. Discutível sua utilização, muitas pessoas defendem que seria mais adequado utilizar CAPITALIZAR. O termo ganhou popularidade com agora na era da INTERNET, por ser utilizado para descrever alternativa financeira para sobrevivência de sites que geram conteúdos como BLOGS, visto que restringir acesso a conteúdo através de contas de acesso se mostrou praticamente inviável (os internautas possuem grande resistência a isto, com razão em função da variedade de conteúdos disponíveis gratuitamente).

monetização

Monetizar/Monetização o melhor no português correto seria CAPITALIZAÇÃO

O processo de MONETIZAR (normalmente utilizado MONETIZAÇÃO) inclui uso de produtos como GOOGLE AdSense ( e seu irmão proximo AdWords) e programas de afiliação de sites comerciais, entre outros.

Basicamente existem dois tipos de pagamentos, por clique (CPC) onde o recebimento de um pequeno valor (centavos) acontece quando o leitor se interessa e clica no anúncio, ou comissão por realização de venda mediante anuncio vinculado no site clique e consequente compra de produto, porém sem a compra o clique não se traduz em rendimento financeiro (os programas de afiliados).

Este assunto gera muita discussão, porém me incluo num grupo que comunga da opinião de Eric Engleman do Bloglines:

Embora contraditório, 95 % da Web não é monetizável.

IPO

(Initial Public Offering / Oferta Publica Inicial) Uma oferta pública inicial ocorre quando uma empresa privada emite cotas de ações a serem vendidas para o público em geral. Isso significa que a empresa deixa de ser privada e passa a ser  Sociedade Anônima, com a gestão sendo executada não obrigatoriamente por um dos acionistas (sócios). 

Embora as ofertas públicas iniciais possam variar bastante de uma empresa para outra e exijam um processo longo, caro e complexo, a oferta pública inicial é basicamente uma maneira da empresa ganhar dinheiro com base em expectativas de êxito e lucro futuros.

Para muitos entre eles Max Mancini, a bolha da internet que estourou em 2001 foi resultado da agressividade gerada pelos mercados em relação aos IPO das empresas pontocom. Este mercado ficou particularmente aquecido desde o IPO da NETSCAPE em 09 de Agosto de 1995.

Cabeça de Pudim

No jurássico 1987, trabalhava em uma empresa de pequeno porte. Na área técnica era um dos donos, um técnico e dois estagiários (sim, eu era um deles). Bem o técnico recebeu proposta de uma empresa grande (XEROX) e decidiu mudar de emprego.

Tem um ditado que minha avó sempre dizia:  ” Quando a esmola é muita, o santo desconfia ! “, o dono da empresa encontrou uma pseudo mosca branca (para os novos, um achado muito raro). Acabava de retornar da ESPANHA um técnico, que trabalhava com micro-informática, porém sua formação não era reconhecida no BRASIL.

Para quem não está acostumado com este período jurássico, havia nesta terras tupiniquins uma RESERVA DE MERCADO. Impedindo que equipamentos importados fossem adquiridos no mercado nacional, reservando as compras da área para as empresas sediadas nesta terra, em outras palavras elas garantiam que ITAUTEC, SID, MICROTEC entre outras não sofresse concorrência de mercados internacionais.

Até aí tudo bem ? Porém o sujeito (passarei a chama-lo de cabeça de pudim) chega pra trabalhar, e tinha um comportamento normal, porém sempre um pouco superficial.

O cabeça de pudim em uma conversa solta para mim uma das pérolas, que guardo em minha memória desde sempre. Em um determinado ponto de uma conversa a sócia da empresa, solta uma pergunta sem maldade:

- Você sabe o que quer dizer IBM, não é ?

- Claro, INTERNACIONAL BUZINESS MACHINES (é isso mesmo BUZINESS, com som de Buzina).

Neste momento algo me pareceu estranho, na hora ouve quem achasse que ele estava brincando. Mas eu afirmo ele estava falando sério. Com o tempo, o cabeça de pudim fica amigo de nós seres inferiores (os estagiários).

E num dia em uma conversa de boteco, o cabeça de pudim solta a seguinte bomba:

- Sabe tenho uma confissão a fazer, estou com a consciência pesada. Vocês me tratam bem, estou constringido de mentir para vocês.

- Mentir, cara que história é essa ?

- Eu não tenho formação técnica nenhuma !!!

- Como cara, que história é essa ?

- Eu menti, para todos vocês !

O final da história é a seguinte ele contou para os donos da empresa e foi demitido após uns poucos meses de trabalho. Minha avó tinha razão.

O cabeça de pudim, ficou curioso do uso do termo. Observe um PUDIM clássico abaixo, o centro dele é oco. Pois é !!!

Acho que ele agiu certo, mas pense, por quanto tempo você conseguiria manter uma mentira deste nível. A cada dia o peso desta mentira se tornava maior, um dia ele seria insuportável. Acho até que ele suportou pouco, para alguém que idealizou esta história.

Dedico este post ao MOE o mais incompreendido dos TRÊS PATETAS, afinal ele tentava colocar ordem no caos.